Skip to main content

O planejamento tributário é essencial para que empresas evitem problemas com o fisco, especialmente diante de um cenário tão complexo como o do Brasil.  Além disso, quando bem aplicada, a estratégia proporciona diversas vantagens e pode até mesmo aumentar os lucros da organização. No entanto, é sempre oportuno lembrar que existem diversos erros nesse sentido com potencial para comprometer a própria sobrevivência do negócio — e aqui estão alguns deles: 

– Falta de conhecimento sobre a carga tributária

Esse é um dos erros mais comuns — e se a organização não conta com uma equipe especializada a situação torna-se ainda mais crítica. É necessário, portanto, um profundo conhecimento do sistema tributário (principalmente diante das constantes mudanças nas normas e legislações fiscais) para que a empresa esteja em dia com suas obrigações.  

– Regime tributário inadequado

Parece óbvio que a opção pelo regime tributário ideal para a empresa possua relevância significativa para garantir sua saúde financeira — afinal, trata-se principalmente de uma escolha estratégica. No entanto, optar por um regime inadequado também é um erro comum, que implica no pagamento de impostos além do necessário e pode até mesmo trazer problemas com a Receita Federal. Vale ressaltar, ainda, a importância de contemplar o negócio como um todo, e não de maneira fragmentada, para que tal escolha seja bem-sucedida.

– Não considerar dados reais para projeções de crescimento

É de extrema importância contar com dados de outras áreas e departamentos além dos que são gerados pela contabilidade — uma vez que muitas dessas informações são cruciais para o desempenho do negócio. Também é preciso levar em consideração a necessidade de lidar com esses números de maneira assertiva porque, seja lá qual for a conclusão obtida a partir de sua análise, o negócio será diretamente afetado. Nesse sentido, relatórios gerenciais objetivos gerados por meio de ferramentas tecnológicas de automação fiscal consistem em uma excelente maneira de evitar erros e falhas humanas (entre outras vantagens), contribuindo para a obtenção de dados realistas que permitam projeções factíveis.

Considerar o planejamento tributário um ônus

Pode-se definir brevemente o planejamento tributário apenas como uma maneira de identificar maneiras legais de pagar menos impostos — mas isso, por si, não caracteriza totalmente sua importância. Afinal, entre outras grandes vantagens, uma carga tributária menor permite que as organizações possam melhorar seus preços e margens de lucro, além de potencializar uma tomada de decisão mais assertiva e inovadora — aspectos que contribuem fortemente para que se tornem mais competitivas.

Exagerar a utilização de dispositivos legais

Ainda que a utilização de mecanismos legais para reduzir a carga tributária não represente um ato ilícito ou mesmo fraude, lançar mão de tais instrumentos de maneira exagerada pode levar o fisco a entender que o planejamento tributário foi evasivo.  E, sob tais circunstâncias, a organização pode ser penalizada com multas e outras sanções — colocando sua própria sobrevivência em risco.

Estes são alguns erros que podem (e devem) ser evitados no planejamento tributário — que, quando realizado adequadamente, proporciona inúmeros benefícios às empresas como, por exemplo, a possibilidade de realização de um orçamento anual eficaz, redução de custos, aumento de competitividade, simplificação de processos contábeis e aproveitamento de benefícios fiscais, entre outros. Além disso, possibilita a identificação de tendências e cenários antecipadamente — assim como a realização de simulações tributárias que permitam o estabelecimento de medidas para mitigar eventuais riscos ao negócio.